Acolhida

a força.trat

Além de tudo
e antes de nada
eu sou.

Carrego o cosmos
no meu útero,
poesia nos cabelos,
contos e sonhos na mochila,
um pinhão por amuleto.

Não preciso de muito dinheiro,
de patrão
nem de marido.
Meus pés me bastam.
As asas se criam.

Tenho uma araucária
por amiga,
que me empresta
sua copa alta
e suas raízes infinitas.

Um peito capaz de amar,
um coração que,
às vezes, se expande tanto
que se funde a tudo que vibra.

Um oceano em cada olho,
fagulhas nas noites frias,
fumaças, danças e cantos,
rezas profanas e risadas pias.

Me encanta a tempestade,
usufruo das calmarias,
me entrego aos ventos,
não largo o leme,
as estrelas são minhas guias.

Trago o sol no coração,
a lua na barriga.
Nas noites profundas,
danço com sombras,
e agradeço ao raiar do dia.

 

Michele Torinelli, setembro de 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*