Poema do andarilho

coração nas costas
 
Um dos poucos poemas (ou parte de poema) que sei de cor… de coração.
 
I

Menor que meu sonho
não posso ser

Mil identidades secretas.
Mil sobras, sombras, mil dias.
Todas palavras e tudo.
Barco de ambigüidade,
sôfregas palavras.
De todas contradições, desencontros,
dos contrários de mim,
andarilho da flecha de várias pontas, direções.
Dos outros seres
que também andarilham.

Pois menor que meu sonho
não posso ser

Andarilho
de ervas sutis
crescidas de noites luzes
becos latinos frêmitos Andes ilhas.
Andarilho
de santos falidos, feridos
de vaidade.
Dos frutos da segurança vã,
vã beleza de repente solidão.

Feitiços, laços, encantamentos.
Prodígios, Tordesilhas, ressentimentos.
Andarilho de perder pele, asa e uso,
mariposa da lua difusa do amanhecer.
Andarilho
de paisagens precárias do sentimento
guardado a sete chaves,
não fotografável,
nem desvendável em câmaras escuras, secretas torturas,
ou à luz de teus olhos surpresos, presos
nos meus olhos, ilhas.

Pois menor que meu sonho
não posso ser.

 

Lindolf Bell

Aqui o poema completo.

2 comentários sobre “Poema do andarilho

  1. Peregrina das estrelas, leva sempre esse teu sorriso dentro em peito pois é o coração sorrindo que ilumina os teus olhos, ora de menina encantada pelas descobertas da vida, ora de anciã consciente e comprometida com o legado que deixaremos aos que virão.

    Tua caminhada representa muitos irmãos das estrelas e são muitos os que serão tocados pela luz no seu caminhar.

    Gratidão pelo teu SERVIR!
    Siga confiante e continue mandando as boas notícias que sacodem o mundo.

    • Araí araí nuvem azul de bençãos

      assim me emociona <3

      gracias por todo apoio e por me motivar a fazer aquilo que faz meu coração vibrar, e me transformar em canal ao invés de muro 😉

      seguimos aprendendinho bailando pelos bosques da vida! e nos apoiando qndo necessário.

      bjao!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*