Revolução da vida

 

Por não me agarrar à primeira tábua de salvação

nem à segunda

nem à terceira

me canso

de tanto

nadar.

 

Aí que eu lembro de boiar.

 

A civilização rema contra a corrente.

Enquanto a vida vai pra um lado,

os homens de ciência e poder

– suas armas suas retas suas máquinas seus relógios-

criaram toda uma estrutura

que pena por estancar a correnteza

e avançar

progredir

no sentido contrário.

 

Que trabalho que dá, quantos escravos são necessários!

 

Mas a correnteza

que apenas flui

se infiltra

nas menores brechas.

 

Seu fluir é resistência.

 

E tão apenas

não se opor

ao livre

desaguar

da vida

é

 

a revolução.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*